Hoje na História do Pink Floyd
22 de Fevereiro na História do Pink Floyd

22 de Fevereiro na História do Pink Floyd

Índice de Anos

1923

Nasce na Inglaterra Norman Smith. Trompetista de jazz frustrado, entrou como aprendiz na EMI em 1959 e foi engenheiro de som 📙 de todas as gravações do Beatles até 1965 (por seu comportamento calmo foi apelidado de “Normal” por John Lennon). Em 1967, foi designado para cuidar da nova contratação da gravadora, o Pink Floyd, de quem foi o produtor 📙 do primeiro, segundo e quarto álbuns de estúdio: “The Piper at the Gates of Dawn”, “A Saucerful of Secrets” e “Ummagumma”. Continuou produzindo e, com o pseudônimo “Hurricane Smith”, alcançou certo sucesso como cantor e compositor, incluindo um 2º lugar nas paradas britânicas em 1971 com “Don’t Let It Die”. Faleceu em março de 2008 aos 85 anos.

Ringo Starrr, John Lennon, Norman Smith, George Harrison, Paul McCartney
Norman Smith com os Beatles

1968

Concerto em Lovaina (Bélgica) é cancelado.

Visite nossa Loja


1970

O Pink Floyd toca no “Electric Garden”, em Glasgow, na Escócia.

1971

Show do Pink Floyd em Lyon (França) é cancelado.

1977

Primeiro show da turnê do Pink FloydIn the Flesh” na França. Seriam quatro noites consecutivas no “Pavillon de Paris”.

Bootleg (áudio 22-fev-1977)
Áudio completo do dia 22 de fevereiro de 1977
  • Acesse
  • Doe
  • Compre
  • Espalhe

Consumir nossos trabalhos nos ajuda muito e somos verdadeiramente honrados por você gostar!

Siga nossas redes sociais e interaja com nossas postagens: é de um valor gigantesco e você receberá atualizações e informações importantes:

Que tal doar QUALQUER valor?
Mas, por favor, não se sinta na obrigação, dê apenas se e quanto puder.

  • PIX
  • Link
  • Assinar
  • PayPal

Confirmação: Giovany Gabriel Faria da Silva | Mercado Pago

Clique em uma das sugestões abaixo ou no último botão para optar por qualquer valor.

Toda a movimentação será feita em um site seguro (Mercado Pago*) e com vários opções (cartão, boleto, lotérica, pix etc.).

* Doação única com conferência de valor antes, garantia de devolução integral e opção de parcelar sem acréscimo.

Clique em uma das sugestões abaixo ou no último botão para optar por qualquer valor.

Atenção: doação mensal; cancele quando quiser.

Toda a movimentação será feita em um site seguro (Mercado Pago*) e com vários opções (cartão, boleto, lotérica, pix etc.).

Já usa PayPal e acha que o Bloco do Pink Floyd é demais?

Clique e escolha qualquer valor:

Fãs de Pink Floyd encontrarão produtos de qualidade e exclusivos

Segurança, várias formas de pagamento e parcelamento, garantia de devolução e você recebe no endereço que indicar!

Sabe aquela pessoa que também gosta?

Recomende esta página a compartilhando em uma das suas redes sociais:

Sua divulgação será nossa melhor propaganda, vai nos ajudar MUITO.
Valeu demais! 💜

2012

Terceira e penúltima apresentação de “Roger Waters The Wall Live” na “Vector Arena”, em Auckland, na Nova Zelândia.

Ingresso

2020

Roger Waters participa neste dia de uma caminhada em Londres a favor do ativista australiano Julian Assange. Segundo o protesto, o “julgamento completo de extradição de Assange” começaria na segunda-feira seguinte e “a administração Trump” estaria “tentando colocá-lo na prisão por 175 anos por publicar os registros da guerra no Afeganistão e no Iraque”. Presentes ainda, estavam os artistas Chrissie Hynde (The Pretenders), Brian Eno, Vivienne Westwood e M.I.A. A marcha partiu da Embaixada da Austrália e foi até a Praça do Parlamento, onde Roger leu um discurso preparado para a multidão reunida. Embora iniciadas, as audiências foram adiadas por meses devido a pedidos de prorrogação por parte da acusação e da defesa e devido à pandemia de COVID-19.

Waters lendo seu discurso

Discurso traduzido

22 de fevereiro de 2020

.

ESTAMOS AQUI HOJE PARA JULIAN ASSANGE.

.

Mas tenho quatro nomes neste pedaço de papel.

.

O primeiro e o último, claro, é Julian Assange, um jornalista, um corajoso iluminador de luz para os lugares escuros dos quais os poderes constituídos gostariam que nos afastássemos.

.

Julian Assange. Um nome a ser gravado com orgulho em qualquer monumento ao progresso humano.

.

Julian é a razão pela qual estamos aqui hoje, mas este não é um protesto paroquial. Hoje fazemos parte de um movimento global, um movimento global que pode ser o início da iluminação global de que este planeta frágil tão desesperadamente necessita.

.

OK. Segundo nome. Enviado para mim pelo meu amigo VJ Prashad.

.

O segundo nome é Aamir Aziz, Aamir é um jovem poeta e ativista em Delhi envolvido na luta contra Modi e sua lei de cidadania rascista. 

.

Tudo será lembrado

.

Mate-nos, nos tornaremos fantasmas e escreveremos
sobre seus assassinatos, com todas as evidências.
Você escreve piadas no tribunal;
Escreveremos “justiça” nas paredes.
Falaremos tão alto que até os surdos ouvirão.
Escreveremos com tanta clareza que até os cegos lerão.
Você escreve ‘injustiça’ na terra;
Escreveremos “revolução” no céu.
Tudo será lembrado;
Tudo gravado
.

.

Esta efusão do espírito humano da Índia está a ocorrer num tempo de revolta, quando as correntes da propriedade são postos de lado.

.

Enquanto nos encontramos aqui em Londres. Do outro lado do Atlântico, na Argentina, milhares de mulheres saem às ruas para exigir ao Presidente Fernández a legalização do aborto.

.

Não é só a Argentina. Neste último ano assistimos à erupção de grandes protestos em todo o mundo contra os regimes neoliberais/fascistas. No Chile, no Líbano, na Colômbia, no Equador, no Haiti, na França e agora, claro, também na Bolívia, lutando contra a nova ditadura militar imposta pelos EUA.

.

Quando veremos o nome da Inglaterra anexado a essa lista nobre? Sinto o coçar de cabeças nas salas de estar em todos os condados natais: “Do que ele está falando, o homem é um maldito pervertido comuna, maldito anti-semita, do que ele está falando? Não vivemos numa ditadura, este é um país livre, uma democracia, com todas as melhores tradições de fair play [jogo justo], pah!”

.

Bem, tenho novidades para você, Descontente da Tunbridge Wells [gíria britânica para conservadores que escrevem cartas aos jornais]. Gostaríamos de pensar que este é um país livre, mas será que somos realmente livres? Por que? Quando Julian Assange é levado ao banco dos réus no minúsculo tribunal de magistrados dentro da prisão de Belmarsh, tantos lugares estão ocupados por processos americanos anônimos, sussurrando instruções ao ouvido atento do principal advogado da acusação, James Lewis QC [acusador contratado pelo governo americano para tentar extraditar Assange para os EUA]?

.

Por que?

.

Como não vivemos em um país livre, vivemos em um canil glorificado e latimos e/ou abanamos o rabo a pedido de nossos senhores e mestres do outro lado do lago.

.

Estou aqui hoje, diante da Mãe dos Parlamentos, e lá está ela, corada de todo o seu constrangimento. E logo acima daqui fica Runnemede, onde em 1215, nós, os ingleses, estabelecemos os rudimentos do direito consuetudinário. Carta Magna, ratificada em 1297, cujo artigo 29 nos deu o Habeus Corpus. Deu mesmo? Ela afirmou:

.

“O corpo de um homem livre não deve ser detido, ou aprisionado, ou proscrito, ou exilado, ou de qualquer forma arruinado, nem o rei deve ir contra ele ou enviar forças contra ele, exceto por julgamento de seus pares ou pela lei da terra.”

.

Infelizmente, o Artigo 29 não é aplicável na lei moderna. A Magna Carta é apenas uma ideia e, neste mundo moderno impulsionado pela propaganda, não proporciona, em princípio, qualquer controle ao Parlamento que legisla contra os direitos dos cidadãos.

No entanto, temos um tratado de extradição com os EUA e no primeiro parágrafo do artigo 4º desse tratado afirma-se. “A extradição não será concedida se o crime pelo qual a extradição é solicitada for um crime político.” Julian Assange não cometeu nenhum crime, mas cometeu um ato político. Ele falou a verdade ao poder. Ele irritou alguns dos nossos mestres em Washington ao dizer a verdade e em retribuição pelo ato de dizer a verdade, eles querem o seu sangue.

.

Ontem em frente à Central Elétrica de Battersea dei uma entrevista na TV para a SKY News para divulgar esse evento, não havia contato visual, então meu único contato com a senhora que me fez perguntas foi através de um fone de ouvido em um fio encaracolado. Aprendi algo sobre como dizer a verdade ao formular as perguntas que ela me fez. Ela veio até mim como um Dom Quixote enlouquecido, cada pergunta misturada, repleta de difamações, insinuações e falsas acusações com as quais os poderes constituídos têm tentado denegrir o nome de Julian Assange. Ela recitava a narrativa cansada, mas bem preparada, e depois interrompia constantemente quando eu respondia. Não sei quem ela é, ela pode ter boas intenções. Se ela o fizer, meu conselho seria parar de beber Kool-aid [marca de suco em pó], e se ela realmente der um centavo pela profissão que escolheu, traga-a aqui e junte-se a nós.

.

Então, Inglaterra. Apelo ao nosso primeiro-ministro, Boris Johnson, para que declare as suas cores. Ele apoia o espírito da Magna Carta? Ele acredita na democracia, na liberdade, no fair play, na liberdade de expressão e especialmente na liberdade de imprensa? Se a resposta a essas perguntas for sim, então vamos, primeiro-ministro, seja o Bulldog Britânico que você gostaria que todos nós acreditássemos que você é? Enfrente a alarde da hegemonia americana, cancele este julgamento-espetáculo, esta charada, este tribunal arbitrário. “As provas apresentadas ao tribunal são incontestáveis.” Julian Assange é um homem inocente. Um jornalista que faz um trabalho muito importante para “nós, o povo”, ao expor os crimes de poderosos sociopatas nos corredores do poder.

.

Eu invoco você para libertá-lo hoje.   

.

Não posso sair desta fase sem mencionar Chelsea Manning, que forneceu parte do material que Julian publicou.

.

Chelsea está há um ano numa prisão federal, encarcerada pelos americanos por se recusar, por princípio, a prestar depoimento a um grande júri especificamente convocado para fazer de Julian Assange um exemplo. Que coragem. Eles também estão multando-a em US$ 1.000 por dia. Chelsea, seu nome é outro nome para ser esculpido em orgulho, tenho lido as últimas novidades sobre o seu caso, parece que sua equipe jurídica está encontrando luz no fim do túnel, por favor, Deus, que você volte logo para seus amados, você é uma verdadeira heroína. Você exemplifica o espírito bulldog de que falei há pouco.

.

Também Daniel Hale.

.

Daniel é um denunciante que vocês talvez ainda não conheçam. Ele participou de um ótimo documentário, National Bird, feito pela minha boa amiga Sonia Kennebeck. Ele fazia parte do programa de drones dos EUA que visava afegãos no seu próprio país a partir de algum centro de comando móvel em Navada. Quando sua passagem pela USAF acabou. O bom coração de Daniel recusou-se a eliminar o peso do remorso que carregava e ele corajosamente decidiu contar sua história. O FBI/CIA tem perseguido Daniel implacavelmente desde então e ele agora está na prisão aguardando julgamento. Daniel é outro nome a ser gravado com orgulho. Aqueles de nós que nunca comprometeram a sua liberdade pela causa da liberdade, que nunca pegaram na tocha acesa e a seguraram tremendo diante dos crimes dos seus oficiais superiores, só podem admirar-se da extraordinária coragem daqueles que o fizeram.

.

Há outros oradores aqui, por isso vou abrir caminho, eu poderia ficar aqui o dia todo protestando contra o fim da luz, se não ficarmos como bulldogs, de braços dados, fileiras cerradas na frente de nosso irmão e camarada Julian Assange. E quando os lacaios do Império Americano vierem pegá-lo, destruí-lo e pendurá-lo na cerca como um aviso para assustar futuros jornalistas, iremos olhá-los nos olhos e firmes e com uma só voz entoaremos:

.

“Sobre nossos cadáveres.”

.

Roger Waters, 22 de fevereiro de 2020

Fonte: Don’t Extradite Assange March (site oficial de Roger Waters)

Roger Waters – Campanha Não Extradite Assange (Londres, 2020)


Dias Anteriores na História do Pink Floyd

+ Ver todas as datas…

Junte-se às nossas Newsletters

Inscreva-se em nosso boletim: você receberá APENAS mensagens importantes (notícias do Pink Floyd, informações sobre The Carnawall e promoções exclusivas).

Clique nos botões e/ou digite (corretamente) seu endereço de e-mail:

Newsletters

Você poderá se desinscrever com facilidade quando quiser!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X